Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chá com as amigas

notas soltas ao virar da esquina

Chá com as amigas

notas soltas ao virar da esquina

Ter | 26.09.17

Tenderness

às vezes é tudo aquilo de que precisamos, é só aquilo de que precisamos, um abraço, um beijo, mais dois minutos aconchegados dentro da cama numa manhã fria...às vezes...basta um pequeno gesto de ternura, um sorriso, sorrir. Bom dia. Bom dia. 

 

 

Seg | 25.09.17

Le temps de Vivre

ChocolatesdaBeatriz.jpg

Afinal há vantagens em viver aqui e eu começo a "senti-las".  Ainda tenho, terei sempre, creio, até conseguir realizar o sonho de viver entre cá e lá, saudades de Lisboa, da linha, da vida da cidade. Mas é verdade que a vida aqui é mais fácil, mais calma, diria até mais saudável, esperando não ser mal interpretada. 

O meu filho vai a pé para a escola, para o ginásio, para as aulas de música. Isto confere-me uma liberdade que não teria na cidade. Ou, tendo em conta que o T, já tem 15 anos, talvez usasse transportes públicos...Eu certamente não viveria as suas ausências e deslocações de forma tão pacífica. 

"Aprendi" a fazer compras on-line. Ou seja, a usar esta possibilidade a meu favor. O filho precisava de um bloco para um diário gráfico, com determinadas características. Optou por um Moleskine, chegou em 48h. Aproveitei e encomendei a minha agenda para 2018. Sem filas, sem lojas quentissimas, sem andar às voltas para estacionar. Não tive o prazer de passar uma hora e tal na Fnac a ver livros? Não. Nem andei a correr a cidade à procura de um caderno específico. Estive sentada no sofá a ler e fui tomar café aqui. A pé. 

Começo a compreender o significado do título deste post. Completamente. 

 

Seg | 04.09.17

Um frigorífico mais pequeno

IMG_7950.JPG

 

Não, não tenho como objectivo, para já, o desperdício zero.

Tenho 4 gatos e não tenho jardim, só isso já aumenta muito o volume de desperdício...mas, quando mudei de casa precisei de comprar um frigorífico e, embora o coração só pendesse para os americanos, enormes, onde seria possível arrumar tudo na perfeição, visível, espaçado...comprei o combinado mais pequeno que encontrei. E não, não foi por uma questão de $$$$. Foi, por um lado, uma questão de espaço. Do outro lado estão a questão da consciência (desperdiçava bastante) e da preguiça. 

Como é que está a correr? 

O último mês fois mais fácil. Aprender a comprar menos foi gradual. Passei algumas semanas a inventar espaços, mudar embalagens, apertar tudo para não deixar nada a estragar-se fora do frio. Mas consegui vencer a minha mania de comprar tudo ao mesmo tempo. Por exemplo: queijo fatiado, fiambre de porco e fiambre de aves. Se só compro fiambre para um dia ou dois, não será lógico ir alternando? Agora já é. Sou fã das saladas embaladas. Comprava duas ou três ao mesmo tempo e, inevitavelmente, metado do último saco ia para o lixo. Agora compro uma de cada vez. 

Vivo num sítio pequeno, o lugar onde compro o pão (qualquer um deles) é o mesmo onde compro as hortaliças e a fruta. Compro pão, regra geral, dia sim dia não. Ou seja???

Que só compre o pão ou que compre outras coisas, vou à loja praticamente todos os dias! Demorei, oh! se demorei a perceber isto! A perceber que só preciso de comprar fruta para dois dias, vegetais para dois dias, fiambre, queijo e todos os outros frescos para 2 dias! E que nem tudo precisa de ir para o frigorífico. Que a fruta sabe melhor se ficar numa cesta em cima da bancada, que o tomate cheira tão bem se ficar numa caixa de madeira com courgettes, beringelas, cebolas, pimentos, alhos e até couves! E duram imenso!

Portanto, passados três meses considero que a compra do frigorífico pequeno foi um sucesso! 

- Nada do que foi para o frigorífico vai para o lixo há mais de 1 mês.

- O frigorífico está sempre limpo e não dá trabalho nenhum.

- Faço as compras de acordo com a ementa da semana e sempre que possível a granel.

- As senhoras do supermercado já não acham o meu talego "muito original", não estranham ver 1 pimento, 2 tomates, um punhado de feijão-verde e algumas cenouras à solta no tapete e até já sabem que não contesto as ordens do chefe e levo o queijo em papel manteiga, mas sem o saco de plástico.

Foram necessárias uma reorganização mental e alguma perseverança, é verdade.

Compensa largamente em tempo e em dinheiro, acreditem. 

 

PS: na foto, o exagero de saladas espera pacientemente a chegada dos convidados. O "firgofírico" já venci, agora falta-me vencer o medo de qualquer (sim, uma qualquer) calamidade eminente e interiorizar que não preciso de reservas de alimentos para três meses na despensa...