Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chá com as amigas

notas soltas ao virar da esquina

Chá com as amigas

notas soltas ao virar da esquina

Qui | 03.08.17

Should I stay ..:...:: ??

raizes-asas.jpg

 

Debato-me com a questão há séculos. Meia volta dá-me uma travadinha e só penso em mandar CVs abroad...De entre as várias coisas que percebi sobre mim nos últimos tempos, se é que percebi alguma, salta aos olhos a incapacidade de ficar, um eterno descontentamento, uma certeza de que sei fazer mais e melhor, a vontade de fazer. O medo de fazer, de arriscar, de dar forma ao sonho. E, em leitmotiv por detrás de tudo isto, a frase "uns nascem com raízes outros com asas" faz um tremendo sentido. Eu nasci com asas. Ok. Invejo, de certa maneira os que nasceram com raízes. Invejo tudo aquilo que imagino que eles têm por serem dos que nasceram com raízes. Nunca lhes perguntei se o que têm os faz felizes. Se são felizes. Ou se sonham ter asas. 

 

Tendo asas, já fui, já vim e já voltei. Arrastei comigo um miúdo de olhos brilhantes e coração doce, que jamais largou a minha mão, por mais conturbados que fossem os nossos voos. Esse miúdo é agora um adolescente. A razão pela qual me digo que estaríamos melhor lá fora. A razão pela qual me pergunto se deverei ficar... 

Não quero trabalhar para outros até ao fim dos meus dias. Amargurada porque não decidem como eu acho que deviam, aborrecida porque não partilhamos da mesma ética, triste porque passou o tempo e não procurei outra saída. Não quero nem posso largar de repente um emprego de que ainda gosto e me põe comida na mesa para me agarrar a um sonho etéreo. 

Quero ir. E quero ficar. Quero ir fazer outra coisa, nova, que me desafie. Há um ano que faço o mesmo, não há muito mais por onde crescer. Posso diversificar... 

Posso ir, mudar de casa, de país, de emprego. 

Ou posso tentar ficar. Aplicar esta inquietação permanente não em ir mas em ficar. Criar. Criar espaço. Aquele espaço. Criar tempo. Tempo para fazer amigos, para crescer entre amigos. Criar raízes e sonhos. Deixar voar o medo, assentar os pés e a cabeça no chão. E dar forma a este turbilhão que me mantém acordada, me faz querer dar ao volta ao mundo e jamais assentar. Ficar e arranjar maneira de deixar a minha marca neste canto, viver em segurança, ao sol, a fazer o que gosto e fazer dessa a maior das viagens. 

 

Will I find a way to stay?                           

fazihayat.JPG